Tendências Globais e o posicionamento do Ministério da Defesa Britânico

Por Leonardo Dutra.

A atuação e o preparo das Forças Armadas no continente Europeu são delimitados por dois grandes períodos nas últimas décadas.

Primeiramente, pela estabilidade estratégica provida pela certeza da existência de um inimigo a combater durante a Guerra Fria. E em segundo lugar, pela incerteza a respeito do espaço internacional em constante processo de mudança desde a década de 1990.

Neste contexto, merece atenção o esforço das Forças Armadas do Reino Unido em buscar antecipar tendências. Em última análise, demonstrando uma elevada capacidade de planejamento, preparo e adaptabilidade frente ao espaço internacional.

Após uma longa e problemática operação militar no Afeganistão, o governo britânico demonstra ter aprendido com os próprios erros.

soldiers_in_action_960x640Depois dos atentados de 11 de setembro de 2001, o Reino Unido juntamente com os Estados Unidos e outros países implantaram uma operação no Estado Afegão.

No entanto, os britânicos subestimaram o campo de atuação de suas Forças Armadas. Descobriram que possuíam equipamentos insuficientes e defasados para deflagrar os objetivos da operação. Desde a perspectiva britânica, pagaram este equívoco com a vida de mais de 450 militares e civis oriundos do Reino Unido no conflito.

Em que pese elementos como a artificialidade da ligação entre os ataques de 11/09 e a guerra do Afeganistão possam ser amplamente discutidos. Também, embora possam ser questionadas a legalidade e a legitimidade desta guerra. Ou ainda, mesmo que possam ser largamente debatidos os resultados efetivos desta operação, a guerra efetivamente aconteceu, envolvendo civis e militares em um conflito que modificou os rumos da estratégia das Forças Armadas britânicas.

Tais modificações são assinaladas pelo planejamento e aplicação de conhecimentos para o desenvolvimento das Forças Armadas daquele país após estes episódios.

xxNeste contexto, merece destaque a clareza dos documentos produzidos pelo Ministério da Defesa (MoD) do Reino Unido. Um dos principais documentos, a Estratégia Nacional de Defesa (A Strong Britain in an Age of Uncertainty), deixa claro os objetivos das Forças Armadas: ações de contraterrorismo, operações contra agressões cibernéticas, estabilização de crises militares, e atuação em situações de desastres naturais no país (inundações).

A lucidez apresentada nestes documentos sobre o papel do MoD britânico é igualmente replicada em diversos outras publicações, a exemplo da Doutrina Conjunta das Forças Armadas (UK Defense Doctrine) e do Documento de Tendências para os Espaço Internacional em 2045 (Global Strategic Trends – out to 2045).

Nesta última publicação (Global Strategic Trends), o Centro de Conceitos e Doutrinas do MoD apresenta um minucioso desenho do espaço internacional em 2045, bem como, orienta as Forças Armadas britânicas para atuação neste ambiente hipotético.

01_ISTARO documento chama atenção para a mudança das características do combate nos próximos 30 anos. As guerras não serão travadas somente por homens e mulheres.

As máquinas (não tripuladas) tendem a ocupar um espaço cada vez maior nos combates. Neste ambiente, a dúvida do MoD reside na problemática da tomada de decisão em combate.

Pois enquanto os governos ocidentais tendem a manter o processo de decisão em combate sob responsabilidade humana, organizações criminais e terroristas podem delegar parte do processo de decisão na guerra para as máquinas.

Correndo o risco de parecer irreal para alguns, porém, figurando como uma importante ferramenta para o preparo das Forças Armadas britânicas, o documento ainda aponta a problemática da escassez de água potável e outros recursos naturais até 2045.

Neste ambiente, embora o continente africano possa lograr um grande desenvolvimento econômico nos próximos anos, a falta de recursos naturais deve marcar a região com contínuos conflitos no mesmo período.

Entre outros pontos, a publicação também sugere a possibilidade de alteração da atual caracterização do Estado: um número significativo de pessoas tenderá a não mais devotar lealdade ao seu Estado de origem em 2045. A fidelidade destas pessoas poderá estar relacionada a grupos virtuais sobre assuntos específicos ou a corporações não estatais.

usa_china_banderas-620x330Ainda, o Oriente Médio e o norte da África possivelmente continuarão em ebulição em 2045, e igualmente, segundo o documento, China e EUA disputarão um delicado jogo de interesses no espaço internacional: China deve ser economicamente mais forte neste espaço e os EUA militarmente mais robusto.

As incertezas do espaço internacional e as necessidades de atuação das Forças Armadas no século XXI exigem um esforço de inteligência e preparo cognitivo por parte dos envolvidos nas atividades de segurança e defesa.

Neste contexto, o Reino Unido fornece exemplos de preparação e clareza do papel de suas instituições militares diante da sociedade. E ainda, diante do incerto, tende a estar preparado para as atividades de contingência no enredado século XXI.

Publicado também na Revista Defesa Aérea e Naval

http://www.defesaaereanaval.com.br/coluna-politica-internacional-tendencias-globais-a-visao-das-forcas-armadas-britanicas/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s